sábado, 10 de junho de 2017

6º Olhar de Cinema - Festival Internacional de Curitiba: História de Taipei



História de Taipei (1985) transborda modernidade. Dirigido pelo taiwanês Edward Yang, esse belíssimo e pouco visto filme se filia a um cinema de desdramatização dramatúrgica e narrativa, para abordar o cotidiano de um relacionamento em crise. A matriz primeira é, claro, Antonioni, em seu interesse existencial pela incomunicabilidade nos tempos modernos, manifesto tanto na inação de seus personagens, geralmente tomada por frieza ou apatia, quanto na tendência ao abstracionismo estético, revelada no olhar frequente para as formas geográficas produzidas pelos espaços urbanos – O Eclipse (1962) e Deserto Vermelho (1964) são exemplares nesse sentido. Todos esses elementos estão presentes também em História de Taipei: os protagonistas, Chin (Chin Tsai) e Lung (Hou Hsiao Hsien), namorados, seguem suas respectivas rotinas e vivem a crise instalada nessa relação com uma postura que parece transitar entre o tédio e a melancolia; ao mesmo tempo, são recorrentes as imagens de arranha-céus e avenidas abarrotadas de carros na capital de Taiwan, cenário transformado por Yang em personagem importante do filme.

A sensação produzida por tais imagens é de um fluxo contínuo, desconexo e fragmentado da existência, simbolizado pelos muitos carros que seguem ininterruptamente nas mais variadas direções, e de perda do sentido da vida em sociedade, algo explicitado pelo comentário de Lung sobre os prédios cada vez mais parecidos na paisagem de Taipei. Esse casal, prestes a deixar de sê-lo, bem como aqueles que os cercam (o colega de trabalho e amante de Chin, seus pais e sua irmã mais nova; a ex-namorada de Lung e seu amigo de longa data), estão, portanto, atomizados, incapazes de estabelecer conexões entre si. São filhos diretos de uma (pós?) modernidade na qual tudo que é sólido se desmancha no ar.

História de Taipei acaba sendo uma ponte entre o cinema de Antonioni e Encontros e Desencontros (2003), de Sofia Coppola, que também compartilha de todos esses interesses temáticos enquanto, visualmente, até pela maior proximidade temporal e pelas semelhanças entre Taipei e Tóquio, remete mais diretamente ao filme de Yang que aos clássicos italianos da incomunicabilidade. Ainda que Coppola se abra mais ao humor e à possibilidade do amor, ambos os filmes, História de Taipei e Encontros e Desencontros, têm protagonistas desconectados com o mundo, isolados numa grande e luminosa metrópole. O que Yang faz de diferente é introduzir um forte elemento temporal, associado ao personagem Lung, que, já na casa dos trinta, sofre com a nostalgia da juventude que se esvai, da época em que fazia sucesso como jogador de beisebol e parecia ter uma vida promissora pela frente. A potência do tratamento dado pelo diretor a esse tema, por vezes lembrando o maravilhoso Sonhos do Passado (1973), de John G. Avildsen, torna seu filme uma obra-prima incontornável. 


História de Taipei 
Qing mei zhu ma, 1985
Edward Yang

Nenhum comentário: