segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011


[lixo extraordinário]

Lixo Extraordinário
Waste Land, 2010
Lucy Walker & João Jardim & Karen Harley


A impressão que fica diante de Lixo Extraordinário é que este deveria ser simplesmente um documentário inglês sobre o artista plástico brasileiro Vik Muniz e sua obra - magnífica, diga-se de passagem. No entanto, por uma daquelas mágicas que só o cinema é capaz de proporcionar, no meio do caminho havia um bocado de personagens muito mais interessantes, que acabaram por transformar Lixo Extraordinário em outro filme. Num filme muito mais comovente e poderoso do que se poderia imaginar. Num filme muito mais brasileiro que inglês.
A força das muitas histórias de vida dos moradores e trabalhadores do Jardim Gramacho, mostradas com enorme sensibilidade por Lucy Walker e seus co-diretores brasileiros João Jardim e Karen Harley, explodem na tela e se sobrepõem sem piedade às tentativas de Muniz de relatar passagens de sua vida que levariam a uma compreensão maior de suas motivações enquanto artista - tornando ridículas suas reflexões do tipo "eu poderia ser um deles". O artista acaba soando arrogante nesses momentos, deixando uma leva impressão de não ter realmente entendido o que é viver em meio a tanta miséria, o que é uma pena. Entretanto, não dá para simplesmente desprezar a importância da presença de Muniz no filme, já que é o resultado de seu brilhante trabalho que potencializa a força emotiva de Lixo Extraordinário. É verdade que Vik Muniz, o homem, conversando em inglês diante das câmeras com sua esposa também brasileira, é completamente ofuscado pelos catadores de Gramacho, na dura veracidade de suas realidades. Mas Vik Muniz, o artista, é tão responsável quanto eles pelo êxito do filme.

5 comentários:

Cristiano Contreiras disse...

Estou ansioso pra conferir, muita gente me falou bem dele e seu texto só reforçou isso.

abraço

Mayara Bastos disse...

Me apaixonei pelo trailer, parecer ser uma obra de arte. rsrs. ;)

Wallace Andrioli Guedes disse...

É um filme muito bonito, Mayara. Difícil não se emocionar.

Weiner disse...

Vicky Muniz ficou conhecido do grande público após idealizar e produzir aquela bela abertura da última novela da Globo, Passione. e agora, a celebração internacional de seu minucioso e criativo trabalho. Um verdadeiro orgulho, não?
Quero muito ver, adoraria assistir no cinema - estreou na capital e devo fazê-lo em breve. O trailer foi muito bom, e a indicação ao Oscar um tempero a mais.

Rafael Carvalho disse...

Eita, mais outro ponto de discordância entre nós, Wallace. Acho que o filme tem aquele ar pretensioso de socilamente engajado que dá um certo nojo do filme. Sim, o trabalho do Vik Muniz é maravilhoso, mas o filme acaba se mostrando um tanto oportunista, mostra aquela intenção de emocionar o espectador.