segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

[caça às bruxas]

Caça às Bruxas
Season of the Witch, 2011
Dominic Sena


A cada novo filme seu, Nicolas Cage parece se esforçar mais para que esqueçamos que ele é um grande ator, capaz de desempenhos memoráveis. Só nos últimos 10 anos, foram lançadas pérolas como O Capitão Corelli, O Sacrifício, O Vidente, Motoqueiro Fantasma... bom, essas são as que assisti, porque até hoje não tive coragem de encarar Perigo em Bangkok e O Aprendiz de Feiticeiro, por exemplo.
Quando escrevi sobre o magnífico Vício Frenético, há pouco mais de um ano, comentei que, por sua atuação inacreditável no filme de Herzog, Cage já estava antecipadamente perdoado por suas bombas futuras. No entanto, confesso que diante desse Caça às Bruxas é difícil manter essa posição. O filme de Dominic Sena (diretor de outra bobagem com Cage, 60 Segundos) é um filme de ação medieval que começa querendo ser Cruzada e termina como um sub-Constantine. Sena transporta para a Idade Média todos os clichês dos filmes de ação ao estilo "herói renegado recebe uma missão que pode representar sua redenção", inclusive os diálogos, o que produz um anacronismo que beira o bizarro. O diretor comanda uma trama muito estranha, que a todo momento flerta com o absurdo (no mau sentido), e quando finalmente apresenta sua revelação supostamente surpreendente, Sena joga de vez seu Caça às Bruxas na vala dos filmes descerebrados que não mereciam sequer ter visto a luz do dia - diante dos momentos finais do filme, Constantine se torna uma obra-prima.
Mas e Nicolas Cage? Bem, o ator permanece o tempo todo com sua típica cara de sono, tentando - mas não muito - nos convencer que aquele ali é um cavaleiro medieval amargurado e perturbado por seu passado violento. O ator parece desejar tanto quanto os espectadores que o filme acabe logo - mas, então, por que diabos ele continua fazendo essas escolhas ridículas, que só servem para manchar sua carreira, já que nem grandes bilheterias tais filmes alcançam? Enfim, preparem-se, porque vem aí Motoqueiro Fantasma 2, em 3D...
Após a sessão na qual assisti Caça às Bruxas, comentei com alguns amigos sobre uma questão que costuma me afligir enquanto cinéfilo e historiador: a dificuldade que Hollywood tem em produzir bons filmes passados na Idade Média. Talvez à exceção de Cruzada (que também não é lá nenhuma obra-prima), o cinema norte-americano dificilmente realiza algo que preste passado neste que é um dos períodos mais ricos e instigantes da história européia. E não, não estou pedindo filmes absolutamente fiéis à realidade medieval apresentada pela mais recente historiografia: estou apenas clamando por bons filmes, boas histórias bem contadas. Nunca esperei isso de Caça às Bruxas, mas assistir ao filme de Dominic Sena me fez pensar novamente nessa questão.

10 comentários:

Mayara Bastos disse...

Que coragem em assistir um filme desses no cinema. Quero muito entender o porque do sucesso dele no Brasil! rsrs. Enfim, desisti do Nicolas Cage, só um milagre mesmo. rsrs. ;)

Wallace Andrioli Guedes disse...

A cada VÍCIO FRENÉTICO, a cada ADAPTAÇÃO, a cada O SENHOR DAS ARMAS (só para ficar em filmes dos anos 2000), volto a me empolgar um pouco com o Cage, a acreditar que ele tomará um rumo decente em sua carreira. Mas logo depois vem uma nova bomba, e mais outra, e o desânimo bate de novo.
Então, Mayara, na verdade só encarei CAÇA ÀS BRUXAS no cinema como desculpa para reencontrar velhos amigos. Senão, passaria longe...

Cristiano Contreiras disse...

Não gosto muito dele, verdade seja dita, rs. Nunca achei um ator versátil, nem excelente. Mas, ele teve momentos melhores mesmo, num passado distante...esse filme, tão cedo eu quero ver! Abraço

Wallace Andrioli Guedes disse...

Pois é, Cristiano, eu gosto bastante dele, o problema é mesmo essa incapacidade de selecionar melhores projetos - parece que o Cage não sabe dizer um não. E ele teve bons momentos recentemente também, como citei no texto: ADAPTAÇÃO, O SENHOR DAS ARMAS e VÍCIO FRENÉTICO. Isso sem contar que no final da década de 1990 ele fez um filmaço com o Scorsese, VIVENDO NO LIMITE, e, alguns anos antes, ganhou um merecido Oscar de melhor ator por DESPEDIDA EM LAS VEGAS.

Dy Costa disse...

Oi, Wallace!
Lamentável mesmo que o filme seja tão ruim.
A história é fraquinha, e como bem disse as palavras usadas nem de longe sõa do universo medievo. Eu tinha esperanças do filme ser bom - entenda que não sei nada de cinema - mas a temática me fascina e apostava lá algumas fichas na empreitada.
Frustrante...
Uma pena mesmo!
Parabéns pelo comentário! Esse sim está bom! ;-)
Beijo, querido!

Weiner disse...

Wallace, eu ainda não conferi este Caça as Bruxas, preferi dar chance a O Amor e Outras Drogas e O Turista quando fui ao cinema neste fim de semana. Provavelmente irei vê-lo, talvez até mesmo na tela grande, mas depois de tantos apontamentos desanimadores, confesso que perdi quase toda a pequena curiosidade que tinha até então.

Wallace Andrioli Guedes disse...

Você fez bem em preferir outros filmes à esse, Weiner, não se preocupe...

Rafael Carvalho disse...

Se eu já estava com medo de ver esse filme, agora é que eu nao vejo mesmo. Melhor empregar o tempo em alguma coisa que valha a pena, nao!

gustavo disse...

Olha eu odeio Nicolas Cage!
Nem em suas interpretações mais festejadas eu consegui gostar! Só em "Adaptação" e "Despedida em Las Vegas" eu consegui suportar (um pouco) o exagero dele nas caracterizações! Passo LONGE desse aqui!

Mateus Selle Denardin disse...

Acho que o filme se mantém indiferente (inofensivo?) para com o público até a meia hora final, quando, você bem apontou, tudo desanda para além do esperado. Achei interessante que Cage grita apenas uma vez, o que já é um alívio. O filme poderia ser menos ruim, mas ser fraco, nessas circunstâncias, era inevitável.