sábado, 2 de janeiro de 2010

[alguns filmes - dezembro]


Os Cafajestes
Os Cafajestes, 1962
Ruy Guerra


Os Fuzis
Os Fuzis, 1964
Ruy Guerra


O Demônio das Onze Horas
Pierrot le Fou, 1965
Jean-Luc Godard


Rio 40 Graus
Rio 40 Graus, 1955
Nelson Pereira dos Santos


Vagas Estrelas da Ursa
Vaghe Stelle dell'Orsa, 1965
Luchino Visconti


Bom Dia, Noite
Buongiorno, Notte, 2003
Marco Bellocchio


A Opinião Pública
A Opinião Pública, 1965
Arnaldo Jabor


A Hora da Estrela
A Hora da Estrela, 1986
Suzana Amaral


Desaparecido
Missing, 1982
Costa-Gavras


1900
Novecento, 1976
Bernardo Bertolucci


Maratona da Morte
Marathon Man, 1976
John Schlesinger


If....
If...., 1968
Lindsay Anderson


A Teta Assustada
La Teta Asustada, 2009
Claudia Llosa


Cão Sem Dono
Cão Sem Dono, 2007
Beto Brant & Renato Ciasca


A Partida
Okuribito, 2008
Yojiro Takita

3 comentários:

thespotlessmindofwally disse...

Anotei todos os títulos na minha "to see list". É, tenho uma. Se não, fico perdido. Tem tanta coisa interessante no cinema do passado (e do presente).

Rafael Carvalho disse...

Vamos lá.

Nunca vi nada do Ruy Guerra! Que vergonha!

O Demônio das Onze Horas, para mim, é o melhor Godard. Anárquico, livre, poético e duro. Trabalho de direção impecável.

Gosto do Bom Dia, Noite, mas não consigo achá-lo tão sensacional assim. Talvez precise rever.

A análise social do Jabor em Opinião Pública é das mais interessantes.

A Hora da Esrela é uma adaptação competentíssima, com uma protagonista incrível, mesmo que o texto da Lispector ajude bastante. Preciso ver mais coisas da Suzana Amaral.

E acho que Mising é meu Costa-Gavras favorito, obra-prima. Mas taí outro que eu precisaria rever.

A Teta Assustada possui um mote incrível, mas acho que perde muito em seu desenvolvimento, deixa muitas boas ideias pelo caminho.

Cão Sem Dono acho sensacional em sua forma simples como é dirigido, mas bastante profundo na análise de seu protagonista. Considero o Beto Brant um dos melhores cineastas brasileiros da atualidade.

E A Partida me deixou bastante chapado, muito por motivos pessoais, mas a abordagem da morte por um vies um tanto côimico é dos mais acertados. Gosto muito. Quase entra para os 20 mais do ano.

Wallace Andrioli Guedes disse...

Rafael,
eu já começo a sentir vergonha por não conseguir amar nenhum filme do Godard. Achei que isso fosse mudar com PIERROT LE FOU, mas não achei obra-prima não. Mas gostei bastante, talvez tenha sido o que eu mais gostei dele, ao lado do A CHINESA.
Sobre o MISSING, eu esperava bem mais. Achei esquemático, filme liberal pra americano ver... queria algo mais forte, mais impactante.
E o CÃO SEM DONO é isso mesmo. Simples e bonito. Só acho que o filme cai um pouco quando a personagem da Tainá Müller sai de cena...