sábado, 21 de novembro de 2009

[hotel atlântico]

Hotel Atlântico

Hotel Atlântico, 2009

Suzana Amaral


Esse Hotel Atlântico é um bom road movie. A cineasta bissexta Suzana Amaral aposta na velha e batida fórmula do gênero, mas aqui com um protagonista partindo do nada para lugar nenhum, em busca de sabe-se lá o quê. Nesse sentido, o tom enigmático que Amaral dá a seu filme acaba sendo um ponto a favor deste, mesmo que não se possa dizer que suas escolhas são efetivamente originais - e se existem mesmo ecos de David Lynch, como muitos vêm dizendo, em Hotel Atlântico, talvez eles estejam na estranheza dos personagens que cruzam o caminho do protagonista e dos acontecimentos vividos por este, assim como na vagueza da narrativa, onde muito pouco é explicado.

O maior acerto do filme está, entretanto, no seu ator principal: Júlio Andrade está excelente, apresentando um sujeito ao mesmo tempo ameaçador, em sua aura misteriosa e imprevisível, e frágil, vítima de uma série de pequenos desastres que vão, pouco a pouco, deixando marcas no seu corpo - a partir de um certo momento, marcas literais. É graças a sua presença magnética que um personagem que poderia facilmente soar como frio, distante, gerando indiferença por parte do espectador, acaba produzindo justamente o efeito contrário: é difícil não se preocupar com o destino daquele ator ao assistir-se a Hotel Atlântico. Andrade conta ainda com a ajuda de um elenco de coadjuvantes de alta qualidade, que vai de João Miguel (o melhor deles, em uma participação pequena mas comovente) à saudosa Helena Ignez, e que reforçam o estranhamento causado pelo filme, adotando posturas de imprevisibilidade que parecem poder levar a narrativa para qualquer lado. E esse me parece ser um outro ponto positivo desse trabalho menor de Amaral, mas que tem lá seu valor em tempos de criatividade tão escassa no nosso cinema.

5 comentários:

CiNe ViTa disse...

Curioso... muito curioso.

E tu não faz idéia do quanto eu anseio pode assistir à "2046"...

Diego Rodrigues disse...

Tinha visto apenas de relance algo sobre Hotel Atlântico, parece que todos concordam que é um bom filme, mas nada mais e nada menos.

Wallace Andrioli Guedes disse...

Wally, tanto Amor à Flor da Pele quanto sua continuação 2046 são obras-primas! O primeiro é mais fácil de conseguir, o segundo é difícil mesmo. Não sei se foi lançado em dvd no Brasil, e, se foi, deve ter esgotado já. Eu dei sorte de conseguir com um amigo um dvd importado, daí tive que assistir com legenda em espanhol...

Prissyrj disse...

Concordo com você....qualquer criatividade é melhor do que nenhuma.

vou tentar assistir.

bjs

Rafael Carvalho disse...

Gosto bastante de A Hora da Estrela, e tenho grande curiosidade sobre esse mais novo filme da Amaral. Mas só Deus sabe quando vou poder ver.