segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Impressões sobre o Oscar 2015



Desde que deixou de indicar apenas 5 filmes em sua categoria principal, o Oscar perdeu algumas oportunidades de celebrar verdadeiras obras-primas. Bastardos Inglórios, A Árvore da Vida, A Rede Social, A Hora Mais Escura, O Lobo de Wall Street... todos foram indicados ao Oscar de melhor filme mas acabaram preteridos por candidatos mais fracos (ainda que às vezes ótimos, como nos casos de Guerra ao Terror, O Artista e 12 Anos de Escravidão). 2015 repetiu a história: com o estupendo Sniper Americano, de Clint Eastwood, no páreo, a Academia preferiu evitar polêmicas e surpresas e premiar Birdman, o debochado e inventivo trabalho de Alejandro González Iñarritu. Boyhood, o outro favorito, talvez fosse uma opção melhor, mas como também adoro o filme de Iñarritu, não vou reclamar. Ao menos não entregaram a última estatueta da noite para bobagens como A Teoria de Tudo e O Jogo da Imitação. Também achei acertada a vitória do mexicano na categoria melhor diretor, interrompendo uma tola tendência, que parecia se consolidar, de dividir os prêmios de filme e direção entre os principais concorrentes do ano. 

A cerimônia de ontem contou com alguns momentos muito bons – Lady Gaga cantando “The Sound of Music”, o anúncio do vencedor na categoria melhor canção, com a excelente piada envolvendo Benedict Cumberbatch, Ben Affleck, John Travolta e Idina Menzel sendo seguida por um forte discurso de John Legend – e foi, de maneira geral, agradável de se assistir. Mas algumas injustiças esperadas aconteceram, sendo a maior delas o prêmio de melhor ator para Eddie Redmayne. O esforçado ator inglês não fez nada demais num filme que não é nada demais, mas, como interpretou um deficiente físico que ainda por cima é famoso, conseguiu a proeza de derrotar Michael Keaton, num comeback apoteótico e corajoso em Birdman. Uma pena. Também é de se lamentar a vitória do horroroso roteiro de O Jogo da Imitação, mas ao menos seu autor, Graham Moore, fez um discurso importante sobre a aceitação das diferenças. Nem isso o mala do Redmayne conseguiu...

Terminada a corrida para o Oscar 2015, dou início às previsões (feitas ainda no escuro, claro) para o próximo ano. Segue uma lista de 10 potenciais candidatos ao Oscar 2016:


No Coração do Mar, de Ron Howard
The Hateful Eight, de Quentin Tarantino
The Walk, de Robert Zemeckis
Trumbo, de Jay Roach
Carol, de Todd Haynes
The Revenant, de Alejandro González Iñarritu
Me and Earl and the Dying Girl, de Alfonso Gomez-Rejon
Knight of Cups, de Terrence Malick
The Danish Girl, de Tom Hooper
Mr. Holmes, de Bill Condon

2 comentários:

Kahlil Appel disse...

Gostei da premiação. 'Boyhood' é um ótimo filme, mas não a ponto de ser considerado o melhor filme do ano. 'Birdman' representa melhor esse cargo.

http://filme-do-dia.blogspot.com.br/

Wallace Andrioli Guedes disse...

Acho que os dois estão mais ou menos no mesmo patamar, Kahlil, ainda que sejam filmes muito diferentes. Meu favorito dos indicados era Sniper Americano, mas acho que o Oscar está em boas mãos.