segunda-feira, 11 de julho de 2011


[rio]

Rio
Rio, 2011
Carlos Saldanha


Não é novidade alguma dizer que o Rio de Janeiro mostrado na animação Rio é carregado de estereótipos. Por mais que o diretor Carlos Saldanha seja brasileiro (e mais, carioca), seu olhar sobre sua cidade natal é tipicamente "de fora": o Rio de Saldanha é o Rio dos turistas, feito de samba, alegria e belezas naturais, é uma cidade exótica, onde todas as pessoas dançam e cantam o tempo inteiro - em perfeito contraste com a gélida e sóbria Minnessota da personagem Linda (dublada por Leslie Mann). Mas a grande questão é: a existência desse olhar é realmente um problema? Desconfio que, no caso de Rio, a resposta seja negativa. Cobrar realismo de um filme como esse me parece uma enorme insensatez. Seria o mesmo que cobrar fidelidade histórica de um A Era do Gelo, por exemplo. E é diferente do que ocorre com um filme como Orfeu Negro (1959), de Marcel Camus, onde o Rio de Janeiro no período do Carnaval era mostrado de forma bem semelhante ao que vemos em Rio, mas sob um verniz de seriedade, em uma obra, por sinal, premiadíssima (Palma de Ouro em Cannes e Oscar de filme estrangeiro). Além do mais, é inegável que a cidade que Saldanha filma é carregada de romantismo e idealização. Seu Rio de Janeiro é extremamente positivo, ainda que, como todos sabemos, irreal.
Na verdade, os problemas de Rio são outros. São problemas que, aliás, atingiram também outros filmes da Blue Sky, particularmente os da série A Era do Gelo. Me refiro aqui à trama bobinha, carregada de clichês, e aos personagens mal desenvolvidos. Por mais que o diretor consiga até certo ponto disfarçar essas falhas através do visual deslumbrante de seu filme, fica difícil não comparar seu trabalho com outras animações recentes, especialmente com os tão (justamente) elogiados longas da Pixar. E daí, diante da consistência das tramas de filmes como Wall-E, Up! e Toy Story 3 (só para ficar nos exemplos mais próximos) e da complexidade de seus personagens, não há magia da "Cidade Maravilhosa" que resista.

5 comentários:

alan raspante disse...

Ainda não assisti "Rio", mas venho lendo críticas sobre o filme e mesmo sem ter conferido, concordo contigo. Por mais que tenha um olhar "americano" sobre o Rio de Janeiro, temos que levar em consideração que a fita é uma animação, portanto não preciso ter um teor altamente realista.

Verei dentro de dias. Espero gostar! rs

Abs.

posts disse...

Olá, me chamo Fernanda Ferreira e sou consultora comercial da Media Direct One. Gostaria que o responsável pelo blog entrasse em contato comigo através do email fernanda@mediad1.com para falarmos sobre uma possível parceria.

Atenciosamente,
Fernanda Ferreira

Kahlil Affonso disse...

É divertido, mas não deixa de ser a maior propaganda turítica que ja existiu!

http://filme-do-dia.blogspot.com/

- cleber eldridge disse...

Achei esse filme muito muito fraquinho, uma decepção.

BillyCapra disse...

Também dei três estrelas, mas confesso que a vontade era de ter gostado mais, porém, o filme é o que é.